terça-feira, 2 de junho de 2009

Sensibilidade


... e quando fico,

permaneço em mim,

o incerto ocupa o meu lazer

analogicamente comparo outras vidas,

vestígios do passado,

que na sua ambiguidade nostálgica ofusca meu prazer,

meu desejo!

5 comentários:

Nocturna disse...

Hugo,
Sensibilidade é mesmo isso . O teu belíssimo texto é, talvez, a melhor definição de sensibilidade que me foi dado ler nos tempos mais recentes.
Muito obrigada por seres assim e por o partilhares connosco.
Um abraço
Nocturna

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Sem dúvida de uma sublimidade que nao me permite comentar. és lindo por isso.

Aquele abraço

João Pedro disse...

É raro... e por isso, tão único, quando somos sensíveis, e ao mesmo tempo auto-suficientes...

E no meio de tais características antagónicas, somos um leque de "coisas", "coisinhas", e "coisonas", que tão bem nos definem...

:)

Abraço-te disse...

A tua sensibilidade é magnifica...
Obrigado pelos Desabafos de Parede...

Abraço-te

Cleó disse...

Estranho essa sensibilidade me passou o não sentir ou a vontade de voltar a fazê-lo, coisa q já se fez antes...
Gostei muito!^.^