segunda-feira, 22 de junho de 2009

Ao meu jeito


Suspenso nesse céu perdido,

Pinto telas de fundo sem pressa,

Rasgo imagens de desejo que invadem o meu íntimo,

Perco-me num dissabor de quente frio

Preso em vitrinas de terra esboçada.

1 comentário:

Daniel Silva (Lobinho) disse...

aqui está: um poema. :) E não um poema qualquer

abraço grande