sábado, 6 de junho de 2009

Filho da ventura!


Sou filho das palavras que sentem, louco e sonhador,

Voz que nunca se cala, mas que ouve em silêncio,

Amigo da lua e amante carinhoso das estrelas,

Sentido que fica, aquando o adeus da saudade!

Sou filho perdido do sentido ausente,

Amante distante, da dor persistente,

Gesto crescente de eterno sonhador,

Ó doce prazer, ó perdão inocente.

7 comentários:

pinguim disse...

Tenho estado ausente e não vou comentar todos os posts publicados durante a minha ausência.
Quero no entanto referir a excelência destes teus dois últimos posts; sem falsas ou encapotadas loas, devo dizer-te que gostei muito de ambos.
Abraço.

João disse...

és maravilhosamente humano! "Voz que nunca se cala, mas que ouve em silêncio" tambem sou assim...
escreves tao bem! Meus parabens por mais um, nao mais um sem importancia, mas mais um post tão único e especial como todos aqueles que escreves. Um abraço grande

Alma de pássaro disse...

Bem diferente daquilo que imaginava *

Paulo - Intemporal disse...

___________________________ hugo,

sempre filho de tantos deuses mutáveis.

numa ambição,

a ser .m.a.y.o.r.

ou ampla.mente sentido ascendente.

abraço-TE

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Sorri quando a dor te torturar
E a saudade atormentar
Os teus dias tristonhos vazios

Sorri quando tudo terminar
Quando nada mais restar
Do teu sonho encantador

Sorri quando o sol perder a luz
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados doridos

Sorri vai mentindo a sua dor
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor
Que és feliz


(Charles Chaplin)

Desejo um lindo domingo com muito amor e carinho.
Abraços Eduardo Poisl

siete disse...

"Palabras que sienten, pueden ser locuras que estremecen, sueños que emergen de profundos sentimientos que a veces duermen esperando alguien que los despierte. Dulces sueños para aquellos que tan frágiles historias de amor sufren ó padecen, cuando no son cálidas, como fuego cuyas brasas ya no se encienden....Avivemos el fuego del amor, encendamos de nuevo las brasas, para perdernos entre abrazos y risas, entre juegos bajo frescas y perfumadas sábanas, como si seda fueran como lo son tus cabellos, de perfume de jazmín, negro azabache que ilumina la noche de mi alma, con llamaradas de amor,entre besos y lágrimas..."

Abrazo.

Enrique.

João Pedro disse...

Eu não gosto de ser humano...

Sou filho da Lua...

e frustrado por ter tamanha vida terrena, e material...

que é feito da garra? e dos sonhos?

Mas em breve, seja em Londres, Islândia ou Suécia, tudo isso possivelmente mudará :)

Vive o presente, mas anseia sempre pelo futuro! xD