domingo, 15 de março de 2009

... (re)Começar...


Não importa onde a gente ficou, nem porventura onde você parou... Importa realçar esses momentos que ficaram por referir, as palavras que ficaram por dizer e que sepultaram esse instante de beleza pura que sem nunca afirmar tal subtileza fecharam-se em tristes gemidos sofridos...
O pensamento mais puro e fértil deve (re)começar por uma recusa acertiva da vida... Deixando fluir o primeiro pensamento, o pensamento do nada, que não fazendo sentido prepara-nos para a busca da eterna recompensa do nosso semblante.
Há que (re)começar em cada instante perdido, em cada caminho obstruído, em cada olhar desiludido... Há que procurar o gesto que ansiamos sem medo nem frustração, sem vontade nem obsessão.

3 comentários:

Daniel Silva disse...

"Há que (re)começar em cada instante perdido, em cada caminho obstruído, em cada olhar desiludido... Há que procurar o gesto que ansiamos sem medo nem frustração, sem vontade nem obsessão".

És belo! Continua grande

Aquele abraço, Hugo

Elaine Siderlí disse...

Que beleza!
Vim retribuir sua visita e meus olhos se encheram de alegria por ver tão bela poesia!

bjus.

Parabéns!

Elaine Siderlí.

José Heitor Santiago disse...

Todos os dias (re)começo,
ao acordar,
e a todas as horas,
desde que (re)conheça
a importância do (re)início
e tenha a coragem para (re)morrer.

Já fiz muitas directas!


José Heitor Santiago

Agradeço a visita e o seu comentário!

Abraço, Hugo!

jhs