domingo, 29 de março de 2009

Raridade


Enlace de sons,
Aromas que se cruzam,
Sentimentos de cores imagináveis morrem em gentes,
Trovas
Momentos que fogem
Ausentes dispersos
Fomos
Imagens que se prendem em desejos proibidos
perdemos,
tudo se aproxima
espreito-te e vejo nosso ser
tão distante
relações de gestos singulares num parelelismo de expressões
definições de ternura,
poeira
eu, tu
escuro,
encontro
teu
nosso.

7 comentários:

Roberta Albano disse...

legal o modo como a poesia vai deixando cada vez mais partes por imaginar ao escrever cada vez menos

interessante

Daniel Silva disse...

Olá

Passa no meu blogue. E aceita o prémio. A ti, tinha de fazer o convite pessoalmente ;)

Abraço =)

Daniel Silva disse...

Hugo

Estava mesmo agora aqui. Basta copiares a imagem e coloca-la no teu blog como se colocasses uma foto ou outra imagem qualquer. Ha quem o tenha feito num post e dedicado por sua vez aos das suas preferencias e ha quem tenha posto também numa barra lateral. Up to you.

Continua grande :) Merece-lo pela pessoa que és.

P.S. - Devias fazer um filminho tipo mak fotografica ou do tlm com um excerto de uma peça de teatro.

Meu ultimo post

Gonçalo Refacho disse...

AH...li e gritei. A-L-T-O. É lindo. É sentido.

GOSTO.

E pronto.
*

Paulo - Intemporal disse...

sublime e bel.íssimo.

gostei e gosto, Hugo.

Parabéns.

um bom fim de semana.

um abraço meu.

Anónimo disse...

Gosto destas tuas palavras...exprimem tão bem as coisas...é cmo se aqui estivessem definidas 1a a 1a... =)

Espero q 1dia me escrevas ms de forma pacifica! :p

*****

David Marinho disse...

Excelente texto, parabens :)

Abraço