terça-feira, 26 de maio de 2009

Coisas do coração!

Quando já nada faz sentido, quero ficar perto! Ficar perto daquilo que acho certo, até ao momento em que alguém me faça ter outra opinião, outro ponto de vista, outra experiência, outra metodologia baseada na ciência. As minhas sensações perdem-se no seio de simples distracções.
Quando já nada faz sentido eu ouço o meu coração, são coisas que eu sei, coisas que o meu relógio mostra, que o meu rádio toca, mesmo sem fazer play. Quando o meu planeta encerra para visitas, eu mexo na minha confusão, no meu desarrumado, no meu ponto de vista que permanece no meu quarto.
Medos que me movem, eu vou assim sem trocar de lei, movido por ideias loucas que me prendem em folhas soltas, num balançar onde acerto os meus pedaços, onde rasgos os nossos retratos.
Moro no meu imaginário, do lado contrário onde costumas espreitar, onde o coração se prende em rasgos de dia, onde passam-se coisas que simplesmente não sabia.
Agora eu sei, agora "listen to your heart"!



Roxette - "Listen to your heart"

5 comentários:

Sílvia disse...

Oh lembra-me a música =)

bjinho****

Vanessa. disse...

Essa música :')

Isa disse...

Adoro Roxette.. bela escolha :)

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

A glória da amizade não é a mão estendida,
nem o sorriso carinhoso,
nem mesmo a delícia da companhia.
É a inspiração espiritual que vem quando você
descobre que alguém acredita e confia em você.

(Ralph Waldo Emerson)

Visite meu novo blogger
UMA ILHA PARA AMAR
http://eduardopoisl.blogspot.com/

Um grante abraço do amigo Eduardo Poisl

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Adoro esta musica dos Roxette de que tenho o álbum original de que faz parte com outras igualmente bonitas "Crash Boom bang" (lindissima). Mas espero que esteja tudo bem ctgo, tá? If needing, write to the e-mail.

Gostei de muitas passagens do texto. E como nao o vou citar todo, claro, retiraria isto:

"Quando o meu planeta encerra para visitas, eu mexo na minha confusão, no meu desarrumado, no meu ponto de vista que permanece no meu quarto.
(...)
"Moro no meu imaginário, do lado contrário onde costumas espreitar".

És, de facto, muito bonito.

aquele abraço,