segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Soberba




Afogo-me em visões ténues delicadas,


vagueio por caminhos rotos pelo dia a dia,


ofendo metáforas criadas na inveja


pressinto que o ciúme em mim me fascina


o quão as pessoas não me fazem falta,


assisto ao nada que tudo me dá,


digo sim à solidão,


e crio o sentimento em pautas de pura imaginação!

2 comentários:

pinguim disse...

A tua poesia é verdadeiramente muito boa. Nem sempre comento, pois estar-me-ia a repetir...

Ursula Holanda disse...

Realmente envolvente! encantou-me profundamente.