segunda-feira, 4 de julho de 2011

Deleito



Sabes que a vida já se findou em cabeceiras de verniz.

No amanhecer tão incerto, acordar que ainda não o sei,

Abraço o tecido do paradoxo

e depois permaneço no eterno juízo.

Vou perdido na escuridão,

Maquilho os dias a meu belo prazer.

O mudo silência felicita-me, ternura,

Sem nunca rever as cabeceiras.

As legendas são distintas, ornatos de rímel,

num espelho desfalecido.

Uma cabeceira envolve-nos na morte,

para quando a fatiga se apodera dos mortos e se mortalizam,

pertencentes às mãos!

Procuro a construção desse manjar,

o poente que germine a minha vida,

o ausente que me acompanha junto à cabeceira.

Nela, travam-se conversas e histórias,

Entre palavras e madeiras, esculpidas no suspiro, alento!

Caminho sobre pensamentos,

onde o inanimado se eterniza.

Percorro as luzes que se apagam,

e deito-me junto a ti, minha cabeceira!

6 comentários:

Isabella disse...

Gostei..=)

Samukaa ² disse...

Muito boa suas frases poéticas :), continue assim, e jamais desista dos seus sonhos ^^

se puder da uma passadinha no meu blog, o conteúdo é sobre humor

http://samukahds.blogspot.com/

Pramod Negi disse...

Great blog really enjoyed reading it. Have bookmarked you and will check back regular. Please feel free to take a look at my blog...
Cheap Flights to Hanio
Flights to Hanio
Hanio Flights

Um brasileiro disse...

ola. tudo blz? estive aqui dando uma olhada. muito interessante. apareça por la. abraços.

Pensamentos Positivos disse...

Adorei seu blog =)
Abraços e beijos

Rabisco disse...

Que texto tão bonito!

Adorei!
Abraço
=)

http://www.rabiscosincertossaltoemceuaberto.blogspot.com/